Para a presidente da Associação de Estudantes da Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Coimbra (ESTeSC), Raquel Luís, estudar nesta escola “é como estudar em casa”. O ambiente escolar ou o ensino prático são alguns dos elementos que destaca.

Raquel Luís sempre soube que queria “seguir a área da Saúde”. A explicação está no altruísmo inerente a este setor, explica: “Com recurso à Ciência e à verdade, é possível ter a certeza que estamos a prestar uma ajuda importante aos outros”.

Natural do Vila Nova de Gaia, Raquel também sabia que queria encontrar um curso superior fora da região do Porto, de forma a “sair de casa dos pais e ganhar autonomia e responsabilidade”. Depois de ouvir as descrições de um familiar sobre o ambiente estudantil em Coimbra, não teve dúvidas: escolheu a ESTeSC, entrando na licenciatura em Dietética e Nutrição.

No início, realça a presidente da associação de estudantes, houve algum medo. “Mas, um mês depois, já estava tudo bem”, conta, explicando: “Nunca me senti sozinha, graças às atividades de acolhimento da escola”.

 

 

Hoje, enquanto presidente da associação de estudantes, Raquel assume que o acolhimento de novos alunos é uma das suas principais preocupações. Como tal, a associação prepara atividades de receção a estudantes e pais, garantindo também que alunos de todos anos interajam, facilitando a adaptação.

De 16 a 20 de setembro de 2019, por exemplo, a Semana de Acolhimento da ESTeSC envolveu jogos tradicionais, um evento de stand-up comedy e um jantar temático inspirado no universo de Harry Potter. “Sei que este tipo de ações é importante porque me ajudaram na adaptação”, concorda.

 

Prática próxima

Na ESTeSC, garante, Raquel encontrou uma formação “com uma componente prática muito forte, em que a teoria aprendida é aplicada em contexto escolar e contexto de trabalho”. Uma preparação que poderá fazer toda a diferença na adaptação no mercado de trabalho, acrescenta, tal como o facto de todas as licenciaturas incluírem estágios de cerca de um ano.

 

 

 

 

Outra das vantagens, realça a estudante, está “no tamanho relativamente pequeno das turmas”, que resultam numa maior proximidade entre alunos e docentes. “Os professores conhecem os alunos pelo nome”, reforça, explicando que esta ligação resulta na possibilidade de “ajustar a forma como as aulas são dadas às necessidades dos estudantes”.

Estudar na ESTeSC, conclui, é “uma experiência única”: “Vai fazer a diferença, tanto a nível profissional como pessoal. É como estudar em casa”. DESTAQUE: “Na ESTeSC, encontrei uma escola com uma componente prática muito forte, em que a teoria aprendida é aplicada em contexto escolar e contexto de trabalho”.

Para saber mais sobre a ESTeSC, podes visitar: www.estescoimbra.pt

ESTeSC